bet bet

Justiça manda soltar Lula após decisão do STF

O ex-presidente foi condenado em duas instâncias no caso do triplex e ficou preso na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba por 1 ano e 7 meses

Justiça manda soltar Lula após decisão do STF
Publicidade

A Justiça acatou o pedido da defesa e expediu o alvará de soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Condenado em duas instâncias no caso do triplex, Lula ficou preso na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba por 1 ano e 7 meses. Agora, o ex-presidente poderá recorrer em liberdade.

O pedido da defesa de Lula foi feito depois que o Supremo Tribunal Federal derrubou, na noite de ontem (7), a prisão após segunda instância. Ou seja, ninguém pode ser preso até o trânsito em julgado, que é a fase em que não cabe mais recurso.

O ex-presidente pode deixar a Superintendência da PF a qualquer momento.

Rudá Moreira, repórter do SBT em Brasília, divulgou em sua conta oficial no Twitter a decisão do juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba; confira:

 

 

 

Caso Triplex

O ex-presidente Lula foi condenado em primeira e segunda instância no caso do triplex e está preso desde abril do ano passado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

O objeto do processo pelo qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado é o apartamento 164-A, na cobertura de um edifício em Guarujá, na Baixada Santista. No papel, a unidade pertence à OAS. Um dos sócios da construtora, Leo Pinheiro, foi preso pela Operação Lava Jato em 2014.

As investitgações da Polícia Federal encontraram mensagens entre Pinheiro e executivos da empresa falando sobre o imóvel. O Ministério Público Federal concluiu que o apartamento estava sendo preparado para o ex-presidente Lula e sua mulher, Marisa Letícia.

O triplex está avaliado em R$ 1,4 milhão e a OAS investiu mais R$ 1,1 milhão em obras, móveis e eletrodomésticos. O Ministério Público afirma que a reforma foi um pedido de Marisa Letícia. Na sentença, o juiz Sérgio Moro entendeu que o apartamento foi dado como propina ao ex-presidente em troca de vantagens indevidas para a empreiteira.

Os advogados afirmam que nem Lula, nem dona Marisa eram donos da cobertura e alegam que o juiz de Curitiba ignorou provas apresentadas pela defesa.

Decisão do STF

Por seis votos a cinco, o Supremo Tribunal Federal decidiu, na noite desta quinta-feira (07), pela proibição de prisões após condenação em segunda instância. 

Com a decisão, o STF retoma o entendimento de que réus só podem passar a cumprir pena após o esgotamento dos recursos, com exceção para casos de prisões cautelares - preventiva, temporária e em flagrante -, que continuarão válidas. Para a maioria dos ministros da Suprema Corte, a prisão somente após o trânsito em julgado é garantida pela Constituição. 

O entendimento afeta diretamente trinta e oito condenados na Lava Jato, de acordo com um levantamento do Ministério Público Federal, dentre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pode ser solto. A defesa de Lula já informou que entrará com um pedido de soltura imediata ainda nesta sexta-feira (08). Além dos presos da operação, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça, outras cinco mil pessoas também podem ser beneficiadas pela decisão.

O quinto dia de julgamento foi retomado com o voto de Cármen Lúcia, que argumentou que o excesso de recursos dá chances para que a pena não seja aplicada. 

"A eficácia do direito penal afirma-se, na minha compreensão, pela definição dos delitos e pela certeza do cumprimento das penas. Se não se tem a certeza de que a pena será imposta, de que será cumprida, o que impera não é a incerteza da pena, mas a certeza ou pelo menos a crença da impunidade, e afirma-se que os que mais contam com essa certeza ou com essa crença, não são os mais pobres", declarou a ministra, a favor da prisão nesta fase do processo.

Já o ministro Gilmar Mendes votou no sentido contrário da colega, com o argumento de que a prisão só pode ser feita depois de esgotados todos os recursos da Justiça. Sem citar nomes, o ministro disse que são cometidos alguns excessos após condenação em segunda instância.

Em seguida, o ministro comentou sobre o ex-presidente Lula. "O caso Lula de alguma forma contaminou todo esse debate, tendo em vista essa politização".

O presidente do Supremo, Dias Toffoli, endossou o discurso: "É bom registrar que a força tarefa de Curitiba, comandada pelo procurador Deltan Dellagnol, deu parecer e pediu progressão de regime da pena do ex-presidente Lula".

O ministro Celso de Mello também foi a favor da condenação só quando não há mais recursos possíveis, levando ao empate da votação em cinco a cinco. Ao longo das quatro sessões anteriores, os ministros Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Marco Aurélio de Mello já haviam votado contra a tese, enquanto Luiz Fux, Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Edson Fachin, a favor do cumprimento da pena nesta fase do processo. 

O desempate, por fim, ficou por conta do ministro Dias Toffoli, que voltou a ressaltar que o entendimento não se refere a nenhuma situação em particular. 

Anteriormente, o presidente do Supremo já havia comentado a respeito do intuito do julgamento, como uma forma de afastar especulações de que a discussão tinha o objetivo de beneficiar Lula. "Que fique bem claro que as presentes ações e o presente julgamento não se referem a nenhuma situação em particular. Estamos diante de ações abstratas de controle de constitucionalidade", argumentou.

O entendimento do Supremo Tribunal Federal passa, agora, a ser obrigatório em todas as instâncias da Justiça. 

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt jornalismo
sbt brasil
lula
decisão
stf
supremo
ex-presidente
triplex
curitiba
política

Últimas notícias

Sonia Guajajara visita indígenas feridos após conflito na Bahia

Sonia Guajajara visita indígenas feridos após conflito na Bahia

Mulher pataxó foi assassinada por fazendeiros em conflito na região rural de Itapetinga
Estudo aponta que funcionários ainda são mais baratos que robôs

Estudo aponta que funcionários ainda são mais baratos que robôs

Levantamento do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) aponta que 23% das profissões podem ser substituídas
Brasília recebe evento com marqueteiros de candidatos a presidente da Argentina

Brasília recebe evento com marqueteiros de candidatos a presidente da Argentina

Mentores de Milei e Sergio Massa participam de seminário na capital. Estrategistas debatem os melhores métodos de campanha
“Se houve omissão, não foi do Congresso”, diz Efraim a respeito da reoneração

“Se houve omissão, não foi do Congresso”, diz Efraim a respeito da reoneração

Relator no Senado defende posição de parlamentares para manter a prorrogação na folha de pagamentos até 2027
"Segredos de um escândalo": filme foi inspirado em caso que chocou os Estados Unidos

"Segredos de um escândalo": filme foi inspirado em caso que chocou os Estados Unidos

Longa conta a história de uma professora de mais de 30 anos, casada e com filhos, que engravidou de um menino de 12 anos e acabou indo para a prisão
Lula sanciona Orçamento com veto de R$ 5,6 bilhões a emendas de comissões parlamentares

Lula sanciona Orçamento com veto de R$ 5,6 bilhões a emendas de comissões parlamentares

Cortes ocorreram por conta da queda da inflação, afirma Randolfe Rodrigues, líder do governo no Congresso
Tadalafila vira moda em academias; especialistas veem riscos

Tadalafila vira moda em academias; especialistas veem riscos

Apesar da fama, não há estudos que mostrem melhora de desempenho físico com o remédio
Tarcísio diz que Bolsonaro deve apoiar a reeleição de Nunes em São Paulo

Tarcísio diz que Bolsonaro deve apoiar a reeleição de Nunes em São Paulo

Governador de SP falou em "frente ampla de aliança" e reiterou apoio ao atual prefeito, que busca reeleição
Tribunal que vai julgar candidatura de Moro é alvo de ataque hacker

Tribunal que vai julgar candidatura de Moro é alvo de ataque hacker

Corte Eleitoral do Paraná decidirá se o senador pode ter mandato cassado. Ação cibernética será apurada pela Polícia Federal
STF prorroga por mais 90 dias inquérito da PF contra "milícia digital"

STF prorroga por mais 90 dias inquérito da PF contra "milícia digital"

Investigação aberta em 2021 apura uso de recursos públicos em ação orquestrada para difundir fake news e atacar adversários nas redes
Publicidade
Publicidade
bet bet Mapa do sitebet bet Mapa do site